N. 522/2020

Tipo de projeto e valor máximo de financiamento

Projeto integrado (máximo 50.000 Euros)

Eixos de intervenção em que se enquadra o projeto

Financiamento

Valor solicitado

49.969,00 €

Valor de outros financiamentos

0,00 €

Valor total

49.969,00 €
Mapa de localização da candidatura


Mapa das candidaturas financiadas


Registos

Da Terra à Mesa - um sal(to) que nos tempera

O projeto operacionaliza resultados de um diagnóstico participativo sobre o habitat e a habitação em Aveiro, realizado por um grupo informal de cidad@s em 2019/20. Agora, em parceria alargada com organizações locais, propõe-se intervir sobre a insegurança alimentar em territórios onde a pandemia veio aumentar a procura de ajuda. Assume-se a alimentação como eixo intersectorial de um conjunto de ações integradas para promover a saúde individual (responder às carências alimentares com alimentos saudáveis; promover práticas salutares de alimentação e atividade física) e a saúde comunitária socioeconómica (melhorar respostas institucionais; apoiar os produtores; fomentar o trabalho em rede e participação ativa d@s cidad@s na apresentação de propostas ao poder local), bem como a saúde ambiental (criação de circuito curto agroalimentar entre consumidores coletivos institucionais e produtores locais; redução da pegada ecológica alimentar).

Objetivos

Objetivo geral e justificação

Dinamizar sinergias locais para promover a saúde d@s cidad@s mais vulneráveis e a saúde da comunidade, usando as respostas de apoio alimentar e a atividade física no espaço público como instrumento para promover a literacia para a saúde e fomentar sistemas alimentares locais mais sustentáveis e justos. As doenças associadas à alimentação desadequada têm maior incidência nos grupos sociais mais carenciados e aumentam a vulnerabilidade à Covid-19. A alimentação diversa, nutritiva e saudável é um fator protetor da saúde, mas não está acessível a todos. As respostas existentes de apoio alimentar são cruciais, mas insuficientes, estão alienadas da economia local e têm grande impacto ambiental. Ligar os consumidores coletivos públicos à produção local permite apoiar os grupos mais vulneráveis, incluindo os próprios produtores, e mobilizar organizações e cidadãos para proporem um habitat mais coeso, saudável e sustentável.

Objetivo específico 1 e justificação

Sensibilizar e capacitar os beneficiários de apoio alimentar para serem agentes ativos na promoção da sua saúde através da aquisição/manutenção de hábitos de consumo saudáveis face aos recursos disponíveis, e da prática de atividade física usando o espaço público. Aveiro é concelho de risco elevado no mapa pandémico e onde aumenta o número de pessoas sem acesso a uma alimentação diversificada, fresca e nutritiva (fator protetor da saúde). O atual Plano de Saúde Local classifica de intervenção prioritária as doenças associadas à alimentação desadequada (diabetes, obesidade, cardiovasculares, etc.). Evidências recentes indicam que tais doenças aumentam a vulnerabilidade à Covid-19. Torna-se prioritária a intervenção sobre os determinantes de saúde de ordem alimentar e de atividade física (agora reduzida devido ao confinamento) das pessoas em situação de insegurança alimentar, através da promoção da sua literacia alimentar e do acesso a alimentos frescos, incluindo vegetais e frutas.

Objetivo específico 2 e justificação

Aumentar a capacidade das organizações que operam respostas de apoio alimentar para implementar o direito humano à alimentação adequada e contribuir para a economia local das suas comunidades. Esta organizações sentem que as respostas existentes são insuficientes (em quantidade e qualidade) face aos pedidos crescentes. As famílias ficam sujeitas às doações de cabazes, com frequência pouco diversos, compostos de alimentos muito processados e calóricos, sendo raro terem alimentos frescos e de alto valor nutritivo (p.e. frutas e vegetais). Por outro lado, as organizações têm recursos e capacidades limitadas para garantir o acompanhamento das famílias na gestão alimentar e promoção de hábitos saudáveis. Têm também pouco espaço de reflexão e experimentação de soluções alternativas. Abastecem-se de produtos oriundos, sobretudo, de outras regiões ou países.

Objetivo específico 3 e justificação

Apoiar a manutenção e melhoria do modo de vida dos pequenos produtores de alimentos através do seu acesso e inclusão em circuitos curtos agroalimentares. Os agricultores familiares e outros pequenos produtores (p.e. pescadores artesanais, etc.) são a vasta maioria e também os que atravessam maiores dificuldades, incluindo na Região Centro. São poucos os apoios adaptados às suas características e dificuldades específicas. Os seus alimentos não chegam à maioria dos mercados e abastecer as organizações sociais exige aprendizagens. Promover o abastecimento das respostas de apoio alimentar a partir destes produtores contribui para: combater a pobreza; promover rendimentos justos aos produtores; criar emprego; aumentar disponibilidade de alimentos frescos; revitalizar as economias rurais; fomentar a fixação dos jovens no setor; estimular a sua organização económica; preservar o conhecimento tradicional; dignificar o valor da atividade.

Objetivo específico 4 e justificação

Promover o acesso dos grupos mais vulneráveis a alimentos saudáveis e sustentáveis através da criação de Circuitos Curtos Agroalimentares (CCA) entre consumidores coletivos públicos e produtores locais. Existe uma enorme alienação entre o alimento e sua origem, mas as respostas à pobreza alimentar podem contribuir para a saúde comunitária promovendo a sustentabilidade e a segurança alimentar e nutricional de todos. Transitar do abastecimento convencional para um CCA implica ultrapassar alguns desafios dos produtores (garantir abastecimento regular e suficiente; preços justos; cumprir normas fiscais, de higiene e segurança; logística) e das organizações (infraestruturas, capacidade logística e de gestão de múltiplos fornecedores; adequação das ementas e da confeção às variedades locais sazonais). A reflexão e o debate a partir de boas práticas e experiências noutros territórios pode encorajar as organizações e produtores a experimentar respostas alternativas.

Objetivo específico 5 e justificação

Promover a democracia participativa através do trabalho colaborativo e em rede entre grupos, organizações e cidadãos locais, incluindo beneficiários de apoio alimentar, para que contribuam para a construção de um habitat local mais saudável e inclusivo para Aveiro. Os cidadãos sentem distância das instituições, dos organismos e dos órgãos de poder público e nem sempre se reveem no discurso das entidades. Pretende-se promover espaços que exercitem a cidadania ativa, através da discussão e formulação de recomendações e propostas concretas que traduzam um diagnóstico das necessidades e desafios e a indicação de recursos e oportunidades para a resolução de problemas locais como a insegurança alimentar, a falta de espaços públicos acessíveis para todos e promotores de convivialidade, a iliteracia de saúde, o enfraquecimento da produção local, etc..

Parceria local

Promotora

EAPN - Rede Europeia Anti-Pobreza / Portugal

Parceira

ACTUAR - Associação para a Cooperação e o Desenvolvimento
Florinhas do Vouga
Junta de Freguesia de Esgueira
Conselho Local Cidadãos de Aveiro
Câmara Municipal de Aveiro
Banco Alimentar Contra a Fome / Aveiro
Unidade de Saude Publica
Alexandrino Moreira Machado

Território(s) de intervenção

1. União das Freguesias de Glória da Vera Cruz

Glória e Vera Cruz, Aveiro
Critério 2. Número significativo de moradores com rendimentos baixos ou muito baixos, nomeadamente:
Pessoas em situação de desemprego, lay-off ou precariedade laboral
Pessoas com poucos anos de escolaridade
Pessoas abrangidas por prestações e apoios do subsistema público da ação social
Critério 3. COVID-19
Número significativo de pessoas de risco em caso de COVID-19, nomeadamente idosos e portadores de doenças crónicas
Critério 7. Exclusão social
Número significativo de pessoas em situação de exclusão social, isolamento ou abandono, nomeadamente idosos, pessoas em situação de sem abrigo ou vítimas de tráfico

2. Freguesia de Esgueira

Esgueira, Aveiro
Critério 2. Número significativo de moradores com rendimentos baixos ou muito baixos, nomeadamente:
Pessoas em situação de desemprego, lay-off ou precariedade laboral
Pessoas com poucos anos de escolaridade
Pessoas abrangidas por prestações e apoios do subsistema público da ação social
Critério 3. COVID-19
Número significativo de pessoas de risco em caso de COVID-19, nomeadamente idosos e portadores de doenças crónicas
Critério 7. Exclusão social
Número significativo de pessoas em situação de exclusão social, isolamento ou abandono, nomeadamente idosos, pessoas em situação de sem abrigo ou vítimas de tráfico

Atividades

1. Mente sã, corpo são

Diagnóstico das necessidades e padrões alimentares das pessoas beneficiárias de apoio alimentar, incluindo dos seus hábitos de atividade física e das condições existentes para a fruição segura e acessível do espaço público; Realização de oficinas de sensibilização sobre seleção e compra de alimentos locais sazonais e confeção de refeições acessíveis seguindo princípios da dieta mediterrânica, em cozinhas comunitárias; Elaboração de guia prático sobre hábitos salutares para uso quotidiano da população.
Destinatários preferenciais
Famílias

2. Alimentar mais e melhor

Abastecimento das organizações sociais locais junto de agricultores locais para compor os cabazes distribuídos e guarnecer as refeições servidas com alimentos frescos e nutritivos, permitindo avaliar as adaptações necessárias para aderir ao Circuito Curto Agroalimentar; Identificação das necessidades e desafios do apoio alimentar e caracterização da procura por parte destes consumidores coletivos; Sessões de informação e debate interno entre os parceiros e organismos públicos responsáveis pelo apoio alimentar, visando uma reflexão estratégia das respostas de apoio alimentar existentes.
Destinatários preferenciais
Adultos (população em idade ativa)

3. Alimentar a minha comunidade

Abastecimento de produtos alimentares, por parte de agricultores locais, a organizações sociais locais, testando as adaptações a fazer para criar o Circuito Curto Agroalimentar; Diagnosticar as necessidades e desafios dos agricultores familiares e outros pequenos produtores para conseguirem aderir e manter-se no CCA; Caracterizar a oferta alimentar existente; Sessões de informação e debate interno entre o grupo informal de agricultores locais e outros parceiros para explorar possibilidades de organização da produção e recursos necessários.
Destinatários preferenciais
Adultos (população em idade ativa)

4. Bolsa de produtores e consumidores locais

Realização de intercâmbios de conhecimentos, experiências e práticas em curso noutros territórios sobre respostas alternativas de apoio alimentar, compras públicas de alimentos, programas de alimentação escolar, alimentação e saúde e Circuitos Curtos Agroalimentares. Estas atividades serão abertas à comunidade e permitirão aos parceiros do projeto realizar aprendizagens e reunir informação útil para apoiar a criação de uma bolsa de produtores e consumidores institucionais locais que permita garantir a disponibilidade e acesso a alimentos saudáveis e sustentáveis (concorrendo para o CCA).
Destinatários preferenciais
Adultos (população em idade ativa), Famílias, Toda a comunidade

5. Aveiro - um habitat mais saudável e sustentável

As aprendizagens conquistadas pelos parceiros e destinatários nas demais atividades (incluindo diagnósticos sobre o apoio alimentar, a procura e oferta alimentar local e a acessibilidade e condições do espaço público existente) serão levadas a debate público com a comunidade em geral, para abertura de perspetivas e aprofundamento. Deste processo, resultará um caderno de recomendações/ propostas concretas a apresentar aos órgãos de poder local, enquanto contributos para a formulação/ melhoria de medidas e políticas locais promotoras de um habitat mais sustentável e saudável.
Destinatários preferenciais
Toda a comunidade