N. 39/2020

Tipo de projeto e valor máximo de financiamento

Serviço à comunidade (máximo 25.000 Euros)

Eixos de intervenção em que se enquadra o projeto

Financiamento

Valor solicitado

23.599,00 €

Valor de outros financiamentos

609,00 €

Valor total

24.208,00 €
Mapa de localização da candidatura

Mapa das candidaturas financiadas


Registos

Hortas do Mar

Consiste no envolvimento da população no cultivo dos seus próprios alimentos, promovendo a melhoria da qualidade da alimentação, a redução das despesas do orçamento familiar, e a possibilidade de ocupar o tempo de forma saudável. Pretende-se também promover o desenvolvimento de competências no âmbito do ambiente, gestão do orçamento familiar, alimentação saudável e promoção da saúde. Será constituída uma bolsa de doadores de bens e serviços complementares como incentivo à participação na horta. Irá incutir-se também junto dos beneficiários a solidariedade para com a comunidade em que se inserem, através da doação de parte da produção da horta a quem por questões de idade ou saúde não possa participar no projeto. Pretende-se envolver toda a comunidade, de forma a que se possam operar efetivas mudanças e transferência de conhecimentos nas famílias. As “Hortas do Mar” funcionarão num terreno cedido para o feito, perspetivando-se que a autarquia ceda, posteriormente, um espaço maior.

Objetivos

Objetivo geral e justificação

Promover a melhoria da qualidade de vida das famílias envolvidas. Benefícios a nível: económico, ambiental, de saúde e de socialização. De facto são vários os benefícios das hortas comunitárias para as comunidades, nomeadamente: cultivo de alimentos frescos melhoria da qualidade da alimentação com o consumo de produtos frescos e naturais possibilidade de ocupar o tempo de forma útil e saudável redução das despesas com a alimentação impacto positivo ao nível da saúde mental construção de espaços de convívio e aprendizagem mútua aquisição de competências (por via da dinamização de workshops) melhoramento do espaço físico (terreno cultivado) promoção da inclusão social e do sentido de comunidade acesso a outros bens que contribuam para a melhoria do orçamento familiar, por via do banco de doadores construção de redes de solidariedade entre a comunidade maior “soberania alimentar” ao capacitar as pessoas para produzirem alguns dos seus alimentos, em vez de os comprar

Objetivo específico 1 e justificação

Até dezembro de 2021 promover a participação ativa dos participantes e avaliar o projeto O envolvimento da população desde a fase de conceção do projeto revela-se de extrema importância para o empoderamento da população. A perspectiva dos participantes no projeto e da comunidade envolvente foi privilegiada desde a fase de planeamento do projeto. A execução do projeto e a avaliação do mesmo será também partilhada com os participantes, já que os alimentos a cultivar devem também corresponder aos gostos e hábitos de cada agregado familiar. No início do projeto será feita uma campanha de mobilização da comunidade para o projeto, dando a conhecer o projeto e promovendo o seu envolvimento. A identificação dos doadores da bolsa de bens e serviços será também feita com os participantes. O plano de monitorização e avaliação definido inclui objetivos, indicadores, critérios, metodologias de recolha, tratamento e registo da informação, produtos e fontes de verificação.

Objetivo específico 2 e justificação

Até dezembro de 2021, promover o interesse pela atividade agrícola , através da criação de um plano agrícola sustentável Será construído com os participantes do projeto um plano de produção/utilização do espaço da horta assente no modo de produção biológico. Pretende-se promover como principal foco a manutenção da fertilidade e capacidade produtiva do solo, sem o uso de fertilizantes e pesticidas sintéticos, adotando técnicas sustentáveis, de baixo impacto ambiental. Os alimentos provenientes do método de cultivo biológico são mais ricos em vitaminas, sais minerais, proteínas e glúcidos, proporcionado uma alimentação mais rica em nutrientes e mais saudável. O plano de capacitação a implementar incluirá conteúdos relativos às boas práticas ambientais, como a utilização correta da água e a promoção da compostagem de resíduos orgânicos, transformados em fertilizante natural.

Objetivo específico 3 e justificação

Até dezembro de 2021, promover competências de âmbito económico, ambiental e da saúde, através do desenvolvimento de um plano de capacitação Pretende-se elaborar um plano formativo que inclui uma formação inicial de 9h, que visa dotar os participantes das competências necessárias para, pelos seus próprios meios, poder instalar e manter uma horta e um conjunto de workshops sobre as seguintes temáticas: • Horta na varanda • Plantas aromáticas e medicinais • Multiplicação de plantas • Identificação de Ervas Daninhas • Identificação e combate de pragas e doenças das suas plantas • Compotas com o aproveitamento integral das frutas e legumes • Cozinhar… sem desperdício • Sopas sem desperdício • Gestão doméstica • Educação alimentar e nutricional Serão incluídos neste plano de capacitação conteúdos relativos à sensibilização e prevenção da transmissão da COVID-19, bem como de sensibilização ambiental.

Objetivo específico 4 e justificação

Até dezembro de 2021, proporcionar a obtenção de produtos agrícolas saudáveis e contribuir para a melhoria do orçamento familiar O consumo adequado de hortofrutícolas, desempenha um papel protetor contra doenças crónicas que afetam a população-alvo da intervenção. Pretende-se que a participação na horta tenha também um impacto positivo no orçamento familiar, pela diminuição dos gastos com alguns produtos alimentares, o que liberta recursos para a aquisição de outros produtos ou para satisfazer outras despesas. A capacidade de produzir bens alimentares também contribui para uma maior autonomia alimentar e reduz as situações de vulnerabilidade. A criação de uma bolsa de bens e serviços ao mesmo tempo que constituirá um incentivo para a participação das famílias na horta, contribuirá para diminuir as despesas do agregado familiar, já que em troca das horas despendidas na horta poderá usufruir gratuitamente de produtos e serviços, identificados como sendo necessários para os agregados.

Objetivo específico 5 e justificação

Até dezembro de 2021, promover a ocupação saudável do tempo e a solidariedade São conhecidos os impactos positivos na saúde mental dos envolvidos em atividades de contacto com a terra, nomeadamente se contarmos com a participação ativa dos envolvidos na construção de todo o processo, levando ao desestímulo do uso excessivo de medicamentos. A horta funciona como uma atividade terapêutica, aliada à formação de redes de apoio dentro do grupo e na comunidade. O contacto com a terra e com o espaço exterior e as relações interpessoais que se estabelecem contribuem para a auto-estima, os vínculos com a comunidade e a melhoria da condição da saúde mental. Prevê-se a doação de produtos a outros elementos da comunidade, que pela sua condição de saúde ou de idade não possuem condições físicas para participar na horta, estimulando a cooperação comunitária, reforçando as redes sociais de apoio, promovendo o sentimento de pertença e a colaboração entre os elementos da comunidade

Parceria local

Promotora

Associação de Desenvolvimento do Concelho de Espinho

Parceira

LIPOR - Serviço Intermunicipalizado de Gestão de Resíduos do Grande Porto
Município de Espinho

Território(s) de intervenção

1. Marinha de Silvalde

Silvalde, Espinho
Critério 1. Condições de habitabilidade deficientes ou precárias, nomeadamente:
Mau estado das habitações, por deficiente construção, falta de manutenção ou por estarem situadas em territórios afetados por incêndios nos últimos cinco anos
Exiguidade do espaço habitável
Critério 2. Número significativo de moradores com rendimentos baixos ou muito baixos, nomeadamente:
Pessoas em situação de desemprego, lay-off ou precariedade laboral
Pessoas com poucos anos de escolaridade
Pessoas abrangidas por prestações e apoios do subsistema público da ação social
Critério 3. COVID-19
Número significativo de pessoas de risco em caso de COVID-19, nomeadamente idosos e portadores de doenças crónicas
Critério 4. Número significativo de pessoas com constrangimentos de acesso a cuidados de saúde, nomeadamente por:
Falta de condições de mobilidade e transporte
Falta de capacidade económica para aquisição de medicamentos
Critério 6. Número significativo de crianças e jovens em idade escolar a não frequentar a escola ou com elevada percentagem de insucesso, nomeadamente por:
Falta de condições para aceder ao ensino a distância
Critério 7. Exclusão social
Número significativo de pessoas em situação de exclusão social, isolamento ou abandono, nomeadamente idosos, pessoas em situação de sem abrigo ou vítimas de tráfico

Atividades

1. Conceção de um plano de Comunicação e Divulgação das “Hortas do Mar” que integre as estratégias de comunicação a utilizar bem como a produção dos materiais de suporte a esta comunicação.

O plano de comunicação e divulgação, que visa dar visibilidade pública ao projeto e mobilizar a comunidade para a participação na iniciativa, irá incluir: - Conceção da identidade gráfica do projeto - Criação de página no Facebook e Instagram - Divulgação no site da ADCE - Publicação de notícias nos jornais locais - Evento inicial de apresentação do projeto - Criação de um vídeo com a narrativa da experiência e resultados do projecto que permita facilitar a sua replicação futura - Evento final de divulgação de resultados
Destinatários preferenciais
Toda a comunidade

2. Diagnóstico participado para auscultação das necessidades específicas da comunidade que podem ser respondidas pelo projeto

De forma a ajustar a intervenção do projeto às características e perspetivas das pessoas que irão beneficiar dele, serão feitos contatos diretos na comunidade e junto das instituições que acompanham as famílias no território de intervenção para identificar as necessidades específicas a responder pelo projeto. Esta auscultação permitirá fazer uma primeira identificação das famílias que poderão prioritariamente ser envolvidas no projeto, tendo em conta as suas características sócio-económicas. Um dos aspetos a incluir neste diagnóstico inicial serão os hábitos alimentares das famílias
Destinatários preferenciais
Famílias, Toda a comunidade

3. Implementação de uma campanha de mobilização da comunidade e recolha de inscrição para famílias cuidadoras das “Hortas do Mar”

Com base na estratégia de comunicação definida, será realizada uma campanha de mobilização da comunidade para o projecto com vista a obter inscrições de famílias que se pretendam envolver na horta e à selecção das 10 famílias que irão participar nesta experiência-piloto. Esta campanha irá incluir o seguinte: distribuição de cartazes na comunidade e de convites porta-a-porta com uma amostra de sementes sessão de apresentação da iniciativa para lançamento do período de inscrições selecção das 10 famílias, após o fim do período de inscrições, com base em critérios pré-estabelecidos pela parceria.
Destinatários preferenciais
Famílias, Toda a comunidade

4. Formação inicial em “Agricultura sustentável em modo de produção biológica” para capacitação das famílias cuidadoras das “Hortas do Mar”

Após a selecção das 10 famílias que irão cuidar dos respectivos talhões das “Hortas do Mar”, estas irão participar numa formação inicial de “Agricultura Sustentável em Modo de produção Biológica” que visa dotar as famílias com as competências necessárias para, pelos seus próprios meios, poder instalar e manter uma horta. Esta formação contemplará módulos sobre as técnicas de preparação do solo, de cultivo e manutenção da horta, bem como uma sensibilização para a prevenção da transmissão da COVID-19.
Destinatários preferenciais
Famílias

5. Cultivo e manutenção das hortas, com base num planeamento prévio e em práticas sustentáveis.

O cultivo e manutenção das hortas será feito com base num planeamento prévio, nomeadamente o estudo do espaço físico da horta e das características do solo, bem como a recolha de boas práticas existentes recolhidas em visitas de estudo a hortas sociais e comunitárias e projetos no âmbito da agricultura biológica de referência Será elaborado um regulamento para a horta, com os contributos de todas as famílias envolvidas e um plano de “cultivo” para cada família “cuidadora”, contando com a sua participação ativa.
Destinatários preferenciais
Famílias

6. Realização de workshops regulares de capacitação para práticas sustentáveis, para uma alimentação saudável e sustentável e para promoção da saúde e hábitos saudáveis.

Serão realizados regularmente workshops temáticos de forma a contribuir para reforçar práticas de produção sustentável bem como a promoção de hábitos alimentares mais saudáveis e sustentáveis, onde se abordarão, entre outros, os seguintes temas: Alimentação saudável; Gestão doméstica; Multiplicação de plantas; Plantas aromáticas e medicinais; Cozinhar sem desperdício Estes workshops destinam-se aos “cultivadores” da horta mas serão também abertos à comunidade.
Destinatários preferenciais
Famílias

7. Criação de uma bolsa de troca de bens e serviços para as famílias envolvidas no cuidado das "Hortas do Mar" para incentivo ao seu envolvimento no projeto e responder a necessidades não atendidas dessas famílias.

Será criada uma Bolsa de Bens e Serviços a que as famílias possam aceder em troca pelas horas de trabalho na horta, de forma a dar resposta a outras necessidades que tenham: por exemplo, dificuldade de acesso a medicamentos, a cuidados dentários, etc. No regulamento das Hortas serão especificadas as regras para a realização destas trocas. Serão previamente identificadas junto das famílias cuidadoras das Hortas do Mar as suas principais necessidades de forma a identificar potenciais doadores de bens e serviços que possam dar resposta a essas necessidades.
Destinatários preferenciais
Famílias

8. A produção das “Hortas do Mar” será partilhada com outras famílias em situação de vulnerabilidade que não tenham capacidade ou possibilidade de participar na manutenção das hortas.

De forma a envolver outras famílias em situação de vulnerabilidade que não tenham oportunidade ou capacidade para se envolverem nas hortas, e ampliar os impactos do projecto em termos da promoção da alimentação saudável, uma parte da produção obtida nas hortas será doada a essas famílias, nomeadamente por intermédio de entidades que intervenham no apoio alimentar.
Destinatários preferenciais
Famílias

9. A monitorização e avaliação do projeto será feita ongoing mediante diferentes mecanismos que permitirão identificar aspetos a melhorar no processo e aspetos a reforçar.

De forma a monitorizar e avaliar a intervenção do projeto ao longo do seu desenvolvimento e a proceder atempadamente aos ajustes necessários, será realizado o seguinte: Reuniões de equipa semanais, Reuniões mensais com os participantes para aferir aspetos a corrigir e aspetos a reforçar, Reuniões trimestrais com os técnicos de acompanhamento para aferir ajustes que sejam necessários fazer na intervenção, Relatório semestral de monitorização e Relatório anual de avaliação.
Destinatários preferenciais
Famílias