N. 68/2020

Tipo de projeto e valor máximo de financiamento

Projeto integrado (máximo 50.000 Euros)

Eixos de intervenção em que se enquadra o projeto

Financiamento

Valor solicitado

49.849,00 €

Valor de outros financiamentos

480,00 €

Valor total

50.329,00 €
Mapa de localização da candidatura

Mapa das candidaturas financiadas


‘Dar vida aos anos’. Um hino à população idosa da Freguesia de Vila Marim.

A Freguesia de Vila Marim, do Concelho de Vila Real, vive o drama nacional de ver o seu território cada vez mais envelhecido. 28% da população residente na freguesia tem mais de 60 anos. As aldeias, despovoadas, colocam esta franja da população cada vez mais isolada e numa situação de vulnerabilidade sem precedentes. Esta crise pandémica provou-nos uma vez mais este flagelo. Urge pensar um serviço de maior proximidade junto desta população que está hoje mais vulnerável do que outrora. Para o efeito, será necessária a aquisição de uma carrinha que de forma itinerante levará um conjunto de ações de combate ao isolamento. De salientar que o único serviço prestado a esta população é o serviço de apoio domiciliário. É prestado pela Cáritas, entidade parceira, que só tem protocolo para 17 utentes. Não podemos continuar a ver envelhecer os nossos idosos passando os seus dias angustiados e tristes. Este projeto será o início de uma nova etapa nesta geração que queremos homenagear e perpetuar.

Objetivos

Objetivo geral e justificação

Combater o isolamento e a solidão da população idosa da Freguesia de Vila Marim. Pretende-se homenagear uma geração a quem devemos tudo o que somos. Uma geração que sofre, hoje mais do que nunca. São as principais vítimas desta atual pandemia. Queremos criar uma rede de vizinhos voluntários. Sabemos que os vizinhos têm um papel fundamental de retaguarda e por isso queremos apelar à generosidade de quem está por perto. Solicitar ao vizinho do lado que socorra, que apoie e que cuide. O Projeto ‘Dar vida aos anos’ fará o resto. O território que queremos ver intervencionado é muito sui generis. Os moradores, das aldeias de Arnal, Galegos da Serra, Ramadas e Agarez, vivem a cerca de 10 km do centro do concelho. Grande parte dos nossos idosos viram os seus filhos partirem, ora para o litoral, ora para o estrangeiro. A maioria vive das suas baixas reformas. Dispõem, no entanto, de um legado extraordinário que queremos ver perpetuado.

Objetivo específico 1 e justificação

Apoiar a população idosa em serviços de primeira necessidade. Pretende-se proceder à marcação e transporte de consultas médicas, pedido de receitas, apoio à medicação, compras no supermercado, ida ao barbeiro/cabeleireiro. Transporte para levantamento de reformas no banco. Ida à Igreja Paroquial e ao cemitério local. Muitos dos nossos idosos pagam serviço de táxi para verem estes serviços satisfeitos. O Projeto ‘Dar vida aos anos’ promoverá, deste modo, uma maior equidade no acesso a bens e serviços, essenciais à vida dos nossos idosos.

Objetivo específico 2 e justificação

Desenvolver a motricidade fina. É inevitável que os nossos idosos percam qualidade de vida com o passar dos anos. A motricidade deve ser trabalhada para que os idosos não percam a sensibilidade e não fiquem muito cedo dependentes de terceiros. A perda da qualidade de vida deve ser uma preocupação constante uma vez que os idosos com uma melhor qualidade de vida e que se preocupam com a sua saúde são mais felizes e saudáveis. Neste sentido, o projeto pretende criar um conjunto de oficinas/ateliers, descentralizadas, que promovam a partilha de sabores e saberes tradicionais (por exemplo, a confeção do pão, a tecelagem do linho, os bordados, as bainhas abertas). A aldeia de Agarez é conhecida no território pela arte de transformar o linho. Pretende-se que, nessas oficinas, os idosos possam recuperar as suas melhores habilidades e as partilhem com a restante comunidade.

Objetivo específico 3 e justificação

Estimular a prática de atividades lúdicas e culturais. Através deste projeto, os idosos da nossa comunidade encontrar-se-ão para sessões de atividade física. Pretende-se alargar o programa bila sénior a todos. Até agora só os que vivem junto do centro podem usufruir. Os restantes não têm transporte para esse efeito. Durante a Semana Cultural da Freguesia, representarão e darão conhecer o trabalho desenvolvido. A carrinha permitirá também levá-los ao teatro e ao cinema (muitos deles nunca foram). Mas também aos museus e aos monumentos. Assistirão na primeira fila a concertos que ocorrem na Torre de Quintela (Torre medieval, património nacional de uma das nossas aldeias), que muitos também nunca visitaram. Serão promovidos também momentos de lazer no Parque Natural do Alvão de modo a recriar as ‘merendas’ de outros tempos.

Objetivo específico 4 e justificação

Desenvolver atividades intergeracionais. Vila Marim viu fechar ao longo dos anos as suas escolas, bem próximas das suas comunidades locais. Hoje, sobrevive ainda um Jardim de Infância e a Escola Básica do primeiro ciclo. Queremos envolver a comunidade educativa em eventos de partilha e convívio entre gerações. Temos o dever de proporcionar aos mais novos aprendizagens que os marcarão para a vida toda. Ao mesmo tempo, homenagear os mais velhos pelo saber empírico de uma vida repleta de memórias. Pretende-se aqui promover um conjunto de tertúlias à boa maneira dos serões de antigamente. Desafiaremos os jovens a partilharem esses momentos. Ouvir-se-ão histórias, lendas, cantigas, lengalengas, anedotas, tradições. Os jovens gravarão nas suas memórias mas também darão a conhecer através das redes sociais. É urgente voltar a viver-se em e com a comunidade.

Objetivo específico 5 e justificação

Editar um livro de memórias Conscientes de que a vida é efémera, precisamos de garantir que o nosso património local e comunitário se perpetue. No decorrer das ações desenvolvidas e explanadas nos objetivos anteriores, surge a necessidade de construir um repositório de todo esse material (fotografias, testemunhos, vidas…) Será feita uma seleção dos melhores momentos e, com a ajuda das entidades parceiras, levaremos a cabo a elaboração desse livro de memórias, onde os protagonistas são os destinatários deste nosso projeto. O lançamento do livro ocorrerá no mês de dezembro, na Torre de Quintela, monumento histórico que urge também divulgar e promover.

Parceria local

Promotora

Grupo Desportivo e Cultural de Quintela

Parceira

Cáritas Diocesana de Vila Real
Junta de Freguesia de Vila Marim

Território(s) de intervenção

1. Freguesia de Vila Marim, aldeias de Agarez, Arnal, Galegos da Serra, Muas, Ramadas, Quintela e Vila Marim.

Vila Marim, Vila Real
Critério 3. COVID-19
Número significativo de pessoas de risco em caso de COVID-19, nomeadamente idosos e portadores de doenças crónicas
Critério 4. Número significativo de pessoas com constrangimentos de acesso a cuidados de saúde, nomeadamente por:
Falta de condições de mobilidade e transporte
Critério 7. Exclusão social
Número significativo de pessoas em situação de exclusão social, isolamento ou abandono, nomeadamente idosos, pessoas em situação de sem abrigo ou vítimas de tráfico

Atividades

1. Transporte dos idosos isolados e sem retaguarda familiar no acesso a bens de primeira necessidade.

Apoiar a população idosa em serviços de primeira necessidade: marcação e transporte às consultas médicas, pedido de receitas, apoio à medicação, compras no supermercado, ida ao barbeiro/cabeleireiro. Transporte para levantamento de reformas no banco. Ida à missa na Igreja Paroquial e ao cemitério local. Muitos dos nossos idosos pagam serviço de táxi para verem estes serviços satisfeitos. O Projeto ‘Dar vida aos anos’ promoverá, deste modo, uma maior equidade no acesso a bens e serviços, essenciais à vida dos nossos idosos.
Destinatários preferenciais
Idosos

2. Promoção da motricidade fina e saúde mental.

O projeto pretende criar um conjunto de oficinas/ateliers, descentralizadas, que promovam a partilha de sabores e saberes tradicionais (por exemplo, a confeção do pão, a tecelagem do linho, os bordados, as bainhas abertas). A aldeia de Agarez é conhecida no território pela arte de transformar o linho. Pretende-se que, nessas oficinas, os idosos possam recuperar as suas melhores habilidades e as partilhem com a restante comunidade.
Destinatários preferenciais
Crianças, Jovens, Idosos, Pessoas com deficiência

3. Estimular a prática de atividades lúdicas e culturais.

Sessões de atividade física para todos. Muitos não têm transporte para esse efeito. Durante a Semana Cultural da Freguesia, representarão e darão conhecer o trabalho desenvolvido. A carrinha permitirá também levá-los ao teatro e ao cinema (muitos deles nunca foram). Mas também aos museus e aos monumentos. Assistirão na primeira fila a concertos que ocorrem na Torre de Quintela (Torre medieval, património nacional de uma das nossas aldeias), que muitos também nunca visitaram. Serão promovidos também momentos de lazer no Parque Natural do Alvão de modo a recriar as ‘merendas’ de outros tempos.
Destinatários preferenciais
Jovens, Idosos

4. Desenvolver atividades intergeracionais.

Envolvimento da comunidade educativa em eventos de partilha e convívio entre gerações. Temos o dever de proporcionar aos mais novos aprendizagens que os marcarão para a vida toda. Mas também homenagear os mais velhos pelo saber empírico de uma vida repleta de memórias. Pretende-se aqui promover um conjunto de tertúlias à boa maneira dos serões de antigamente. Desafiaremos os jovens a partilharem esses momentos. Ouvir-se-ão histórias, lendas, cantigas, lengalengas, anedotas, tradições. Os jovens gravarão nas suas memórias mas também darão a conhecer através das redes sociais.
Destinatários preferenciais
Crianças, Jovens, Idosos, Pessoas com deficiência

5. Edição de um livro de memórias.

No decorrer das ações desenvolvidas e explanadas nas atividades anteriores, surge a necessidade de construir um repositório de todo esse material (fotografias, testemunhos, vidas…) Será feita uma seleção dos melhores momentos e, com a ajuda das entidades parceiras, levaremos a cabo a elaboração desse livro de memórias, onde os protagonistas são os destinatários deste nosso projeto. O lançamento do livro ocorrerá no mês de dezembro, na Torre de Quintela, monumento histórico que urge também divulgar e promover.
Destinatários preferenciais
Jovens, Idosos, Famílias