N. 275/2020

Tipo de projeto e valor máximo de financiamento

Projeto integrado (máximo 50.000 Euros)

Eixos de intervenção em que se enquadra o projeto

Financiamento

Valor solicitado

48.711,00 €

Valor de outros financiamentos

0,00 €

Valor total

48.711,00 €
Mapa de localização da candidatura


Mapa das candidaturas financiadas


Requalificação da Tenda Multiusos do Núcleo Piscatório da Ilha da Culatra.

No decurso da tempestade “Bárbara”, que assolou o território nacional no dia 19 de outubro de 2020, o Núcleo Piscatório da Culatra perdeu a única infraestrutura comunitária de relevo, a tenda multiusos do Clube União Culatrense. Esta estrutura era o único espaço da ilha que possibilitava a reunião em segurança da comunidade, a realização de eventos culturais, o espaço de reserva para eventuais respostas de desalojamento e de acolhimentos vários, sobretudo para as questões da saúde que, no contexto de pandemia, serviria de hospital de campanha. Esta iniciativa pretende recuperar esta infraestrutura bem como dotá-la de melhores condições de segurança e circulação para acolher todo o tipo de atividades que possam contribui para o bem-estar da comunidade. A estrutura será ainda equipada com uma unidade de produção de energia fotovoltaica para autoconsumo, com elevado potencial demonstrador da transição energética, do respeito pelo ecossistema e pela gestão eficiente dos recursos.

Objetivos

Objetivo geral e justificação

Dotar o Núcleo Piscatório da Ilha da Culatra e uma estrutura de uso comunitário, capaz de resistir a novas intempéries e que possa dar resposta às múltiplas atividades concretizadas pela comunidade e pelas autoridades com jurisdição sobre a Ilha. Esta comunidade é um exemplo nacional de cidadania ativa. Com parcos meios, as associações da ilha têm sido capazes de desenvolver iniciativas locais de interajuda e de criar uma rede de apoio ao mais desfavorecidos e carenciados. No entanto, há uma necessidade séria de investir nas estruturas associativistas e infraestruturas de apoio para que estas possam ser mais resilientes e eficazes em crises como a pandemia a que se assiste neste momento. Assim, é essencial dotar a comunidade da Culatra de uma infraestrutura comunitária multiusos, sólida e autossustentável energeticamente, que possa contribuir para a sustentabilidade ambiental, desenvolvimento cultural e de bem-estar social, preparada para os desafios pandémicos.

Objetivo específico 1 e justificação

Criar condições físicas adequadas e adaptáveis para o desenvolvimento de atividades promovidas pela comunidade da Culatra, pelo movimento associativo e pelas autoridades públicas, através do robustecimento da estrutura multiusos do Clube União Culatrense. Esta infraestrutura é fulcral pois é a sala da comunidade e onde se realizam grande parte dos eventos sociais e culturais, apresentações públicas, sessões técnicas de formação, etc. É ainda um espaço de reserva para eventuais situações de catástrofes ou pandemias, considerando as suas condições, acessibilidades e facilidade de adaptação às necessidades. Este fator assume especial relevância uma vez que este espaço acolhe as atividades no âmbito da iniciativa Culatra2030 - Comunidade Energética Sustentável, bem como de muitas outras apresentações públicas e eventos realizados pelas autoridades locais, grande parte vocacionadas para a gestão do Parque Natural da Ria Formosa e das iniciativas de descarbonização da Ria Formosa.

Objetivo específico 2 e justificação

Promover a utilização de espaços comuns devidamente enquadrados urbanisticamente e que possam contribuir para os desafios da descarbonização da atividade humana, sobretudo em contexto de ilha. A infraestrutura será dotada de uma unidade de produção de energia fotovoltaica para autoconsumo, com ligação à rede pública de energia. A persecução deste objetivo representa um passo importante para a demonstração do potencial das energias renováveis rumo à sustentabilidade, essencial para que a comunidade perceba o funcionamento destas estruturas, as suas mais valias e o impacto que têm na mitigação dos processos de alterações climáticas, combate à pobreza energética e garante futuro emprego e coesão social. Este é o único local coberto na ilha para organizar celebrações várias, incluindo grande parte das iniciativas de coleta de fundos e de capacitação económica da comunidade, especificamente do Clube União Culatrense, associação que promove os aspetos culturais e desportivos da ilha.

Objetivo específico 3 e justificação

Criar condições básicas essenciais para a fruição de espaços comuns, promotores de atividades criativas e culturais, fomento da participação comunitária, ocupação juvenil e sénior; e constituir-se como unidade de apoio a situações de catástrofes naturais, pandemias ou outras que exijam a utilização de um espaço com boa cobertura de comunicações, espaços amplos facilmente moduláveis e de higienização fácil. Este espaço assume-se ainda como polivalente uma vez que tem anexo um espaço ao ar livre devidamente apetrechado e salas de apoio e sanitárias anexas. O espaço será alvo de uma estratégia de dinamização de forma a promover o seu uso comunitário por todos os grupos e faixas etárias, de forma a que possa servir para acolher eventos de maior dimensão em contextos regionais e internacionais, essenciais para o estabelecimento de redes de cooperação, como por exemplo a Academia Internacional de Jovens para as Energias Limpas, cinema, teatro comunitário, sessões de rastreio de saúde, etc.

Parceria local

Promotora

Clube União Culatrense

Parceira

Associação de Moradores da Ilha da Culatra
Associação Nossa Senhora dos navegantes
União das Freguesias de Faro (Sé e São Pedro)
Município de Faro

Território(s) de intervenção

1. Ilha da Culatra, União de Freguesias da Sé e São Pedro, Concelho de Faro.

Faro (Sé e São Pedro), Faro
Critério 1. Condições de habitabilidade deficientes ou precárias, nomeadamente:
Mau estado das habitações, por deficiente construção, falta de manutenção ou por estarem situadas em territórios afetados por incêndios nos últimos cinco anos
Exiguidade do espaço habitável
Desadequação severa dos espaços comuns
Deficientes condições de acesso ao abastecimento de água, saneamento e energia, designadamente em áreas de génese ilegal
Ventilação e iluminação solar insuficientes ou baixo conforto térmico e acústico
Critério 2. Número significativo de moradores com rendimentos baixos ou muito baixos, nomeadamente:
Pessoas em situação de desemprego, lay-off ou precariedade laboral
Pessoas com poucos anos de escolaridade
Pessoas abrangidas por prestações e apoios do subsistema público da ação social
Critério 3. COVID-19
Número significativo de pessoas de risco em caso de COVID-19, nomeadamente idosos e portadores de doenças crónicas
Critério 4. Número significativo de pessoas com constrangimentos de acesso a cuidados de saúde, nomeadamente por:
Falta de condições de mobilidade e transporte
Falta de capacidade económica para aquisição de medicamentos
Critério 6. Número significativo de crianças e jovens em idade escolar a não frequentar a escola ou com elevada percentagem de insucesso, nomeadamente por:
Falta de condições para aceder ao ensino a distância

Atividades

1. Requalificação do espaço multiusos do Clube União Culatrense

Intervenção para robustecimento da estrutura coberta do espaço do Clube União Culatrense, destruído a 19.10.2020 pela tempestade “Bárbara”, através da colocação de reforços estruturais e renovação da cobertura, com isolamento térmico, para melhor desempenho energético e melhoria das proteções laterais, amovíveis. Este espaço constitui-se com a única estrutura para realização de atividades culturais e de apoio a outras iniciativas da comunidade e de autoridade públicas. A nova estrutura ficará apta para servir de apoio a catástrofes naturais e pandemias.
Destinatários preferenciais
Toda a comunidade

2. Instalação de unidade de produção de energia elétrica

Instalação na cobertura do espaço de uma unidade de produção de energia fotovoltaica para autoconsumo, com ligação à rede. Este investimento é de especial importância pelo contributo que dá para o processo de descarbonização em curso na Ilha, com elevado poder demonstrativo do potencial de uso de energias renováveis e como garantia de fonte de energia gerada na ilha, numa lógica de aproveitamento dos recursos. Este sistema garante uma maior segurança energética e contribui para a diminuição das despesas do espaço, que podem reverter para outras iniciativas de bem-estar para a comunidade.
Destinatários preferenciais
Toda a comunidade

3. Instalação de sistema de wireless para a comunidade

Incorporação de sistema de comunicação sem fios para acesso livre à internet, mediante controlo de conteúdos. É um forte contributo para a igualdade de oportunidades no acesso à informação, para o apoio ao ensino à distância e para suporte e facilidade de comunicação nas atividades a realizar e, em caso de usos específicos de maior intensidade de ocupação de rede, como catástrofes e pandemias. Este sistema permitirá ainda o desenvolvimento de um portal de registo, que contará com informação e sistema de alerta sobre questões sociais, de saúde, ambientais e de interesse para a comunidade.
Destinatários preferenciais
Toda a comunidade

4. Desenvolvimento de um programa estratégico de fomento à dinamização do espaço

Criação de mecanismos de envolvimento comunitário para desenvolvimento de plano de dinamização do espaço, com enfoque nas questões da informação e ações preventivas da saúde, nos comportamentos ambientais e preservação dos ecossistemas, no apoio à atividade juvenil, no incentivo ao envelhecimento ativo, no fomento da prática cultural e criativa, na criação de condições para alavancar o projeto de Academia de Jovens para as Energias Limpas. Deve ainda ser considerada a questão da (in)formação sobre diversos temas que possam interessar à comunidade da Culatra e às associações que a representam.
Destinatários preferenciais
Toda a comunidade

5. O papel da arte e cultura como vetores da transformação social

É hoje sobejamente reconhecido o papel da arte e a cultura como importantes vetores da transformação e bem-estar social. A cidade de Faro tem um plano futuro ambicioso para a cultura com a candidatura a Capital Europeia da Cultura em 2027, com diversas ações previstas para os diferentes bairros de Faro. A Culatra é um território de relevo nesta estratégia e urge criar condições na ilha para receber as residências artísticas, sessões de exposição, cinema, teatro comunitário, etc, de forma a diversificar a oferta cultural e promover os elementos identitários do Núcleo Piscatório da Culatra.
Destinatários preferenciais
Toda a comunidade