N. 78/2020

Tipo de projeto e valor máximo de financiamento

Projeto integrado (máximo 50.000 Euros)

Eixos de intervenção em que se enquadra o projeto

Financiamento

Valor solicitado

42.337,00 €

Valor de outros financiamentos

870,00 €

Valor total

43.207,00 €
Mapa de localização da candidatura

Mapa das candidaturas financiadas


Registos

P.rograma E.special de R.evitalização - Bajouca, Maia

Esta candidatura tem como entidade promotora a Associação Pró-Arquitectura João Álvaro Rocha (Apjar) com sede na Maia, a qual tem como razão da sua existência o espólio deixado pela atividade profissional do arquiteto João Álvaro Rocha (JAR), um nome sobejamente conhecido e falecido prematuramente em 2014. Como se depreende, é também vocação da Apjar a promoção da qualidade arquitetónica, nomeadamente através intervenção e sensibilização das populações. Das 57 obras construídas por JAR, 13 são Projetos Especiais de Realojamento (PER), dos quais 10 se localizam na Maia, totalizando 340 fogos neste concelho. Pretende-se consolidar esta função social da arquitetura, trabalhando em várias vertentes com os habitantes do Per Bajouca, uma população heterogénea e de várias faixas etárias que vive em 66 fogos, motivando assim e em simultâneo para a qualidade arquitetónica e qualidade de vida. Espera-se que seja uma ação seminal e a primeira de muitas.

Objetivos

Objetivo geral e justificação

O objetivo geral consiste na reconstrução da coesão social da comunidade e sua autovalorizarão, através da capacitação dos seus indivíduos, da libertação de estigmas autobloqueadores, promovendo o desenvolvimento pessoal e consequentemente da comunidade. Para tal é basilar a promoção de estilos de vida saudáveis, indutoras de saúde e de qualidade de vida, e a integração dos membros no contexto societário alargado em sintonia com as práticas mais atualizadas. Convocar-se-ão pessoas de várias gerações a cooperar e envolver -se ativamente na execução e gestão destas atividades, funcionando, espera-se, como um gérmen de uma estrutura organizativa própria, constituindo uma oportunidade para adquirirem conhecimento e ferramentas, ganhando autonomia e massa crítica, para se motivarem e desenvolver os seus próprios projetos. A candidatura concretizará os objetivos através de ações imateriais apoiando-se no estritamente necessário na ação material de melhoria de um espaço de uso comunitário.

Objetivo específico 1 e justificação

A educação ambiental é pertinente para o nosso planeta e todos os cidadãos. A existência de 1 horta por cada um dos 66 fogos é o motivo perfeito para a promover neste PER. Fomentar o hábito da compostagem em todos os moradores para além das vantagens evidentes permite introduzir o conceito de economia circular. Pretende se explicar e exemplificar como o equilíbrio ambiental do planeta passa também pela sustentabilidade da alimentação. O atual uso espontâneo e desorganizado das hortas constitui ainda o pretexto certo para ensaiar formas de organização comunitária. A dinamização das hortas toca a todos, mesmo os que não cultivam, alcançando vários objetivos transversais, como a saúde, pela prática de exercício físico informal, pela promoção de estilos de vida saudável, decorrentes da vida ao ar livre e pela consciencialização da importância da qualidade e segurança alimentar. A nível social é promovida a inclusão uma vez todas as faixas etárias podem trabalhar, colaborar e partilhar.

Objetivo específico 2 e justificação

Pretende se promover a saúde e estilos de vida saudáveis da população deste PER, sendo o exercício físico uma estratégia importante para melhorar a condição física, psíquica e qualidade de vida de idosos e jovens. Contribui-se para o equilíbrio societário, quebrando o isolamento e melhorando a mobilidade dos mais velhos (dois dos critérios de elegibilidade identificados) e induzindo cuidado com o espaço físico onde se realiza o exercício por parte dos mais novos (cuja situação de atual abandono propicia o descuido). Aumentar se á o conhecimento dos benefícios na saúde, sociais e económicos da prática da atividade física e desportiva e serão identificados os riscos do sedentarismo, sensibilizando para a prática desportiva. É de realçar as vantagens que traz para o percurso académico dos mais novos, através nomeadamente, da capacidade da concentração. Assim, contribuir se á para a resiliência e inclusão social destas faixas etárias, que vivem num contexto mais desfavorecido.

Objetivo específico 3 e justificação

Promoção e aprofundamento da autonomia digital da terceira idade, a partir de dispositivos eletrónicos pessoais; aplicações móveis de utilidade quotidiana e combate à solidão (chat, vídeo chat, email, home banking, ferramentas de gestão pessoal); segurança e privacidade na era digital. Já em 2010, a Comissão Europeia, destacou como a alfabetização digital dos idosos estava a tornar se um problema crucial, o que está bem patente entre a população deste PER. Este projeto tem uma componente essencial de sensibilização e formação de educadores, deseja se que sejam jovens do bairro, de forma a adquirirem novos conhecimentos e habilidades para o planeamento, implementação e gestão destas atividades para os idosos. Trabalhar a literacia digital de jovens e idosos, para além de estimular as características cognitivas dos mais velhos, melhorar as capacidades formativas dos mais novos, promove a inclusão social e a interação intergeracional, contribuindo para a qualidade de vida de todos.

Objetivo específico 4 e justificação

Trata-se de sensibilizar a população para questões da saúde em geral, incluindo desde logo a pandemia COVID-19, através da consciencialização sobre hábitos quotidianos, individuais e familiares, relacionadas maioritariamente com o habitar. É sabido que a população com rendimentos baixos, como as dos PER, se encontram em riscos de COVID-19 pelo fator idade, por serem portadores de doenças crónicas, (tal como edificado nos critérios de elegibilidade), e por anos de práticas menos adequadas. Deseja-se aproximar da população, entender as razões das suas atitudes e levá-las a participar ativamente, sendo em simultâneo protagonistas e destinatários da formação. Pretende-se empoderar as pessoas de forma a que se reconheçam como agentes de transformação e do seu destino. Assim, orgulhar-se-ão dos espaços habitacionais, incluindo os espaços comuns, contra o estigma que carregam de viver em bairros sociais. Também planeada para o P.E.R. Fábrica Aldeia os temas serão complementares.

Parceria local

Promotora

Associação Pró-Arquitectura João Álvaro Rocha

Parceira

Espaço Municipal - Renovação Urbana e Gestão do Património, E.M., S.A.
LIPOR - Serviço Intermunicipalizado de Gestão de Resíduos do Grande Porto
Grupo de moradores da Bajouca

Território(s) de intervenção

1. Alameda João de Deus, PER Bajouca, Maia

Castêlo da Maia (Santa Maria de Avioso, São Pedro de Avioso, Gemunde, Barca, Gondim), Maia
Critério 2. Número significativo de moradores com rendimentos baixos ou muito baixos, nomeadamente:
Pessoas em situação de desemprego, lay-off ou precariedade laboral
Pessoas com poucos anos de escolaridade
Critério 3. COVID-19
Número significativo de pessoas de risco em caso de COVID-19, nomeadamente idosos e portadores de doenças crónicas
Critério 4. Número significativo de pessoas com constrangimentos de acesso a cuidados de saúde, nomeadamente por:
Falta de condições de mobilidade e transporte
Critério 7. Exclusão social
Número significativo de pessoas em situação de exclusão social, isolamento ou abandono, nomeadamente idosos, pessoas em situação de sem abrigo ou vítimas de tráfico

Atividades

1. Horta à Porta

Pretende-se promover a elaboração de regulamento e definição de estrutura de gestão das hortas pelos próprios moradores. Serão realizadas ações de formação e educação sobre agricultura biológica, compostagem e alimentação sustentável pela LIPOR (Serviço Intermunicipalizado de Gestão de Resíduos do Grande Porto), a título gratuito. As duas primeiras formações ocorrem no início, e a terceira durante o cultivo. Haverá monitorizações trimestrais e reciclagem de conhecimentos anual. Estas formações terão lugar nas hortas, e são dirigidas a todos, mesmo que não cultivem, dada a sua abrangência.
Destinatários preferenciais
Idosos, Adultos (população em idade ativa), Famílias, Toda a comunidade

2. A jogar é que a gente se entende

Flexibilizar o uso do campo de jogos, dedicado exclusivamente ao ténis e sem uso há largos anos, combate a sua degradação. Este será transformado, por uma empresa local, depois de definido o programa com os moradores. Assim, proporcionar-se-á uma prática desportiva regular, coletiva e organizada, dedicada aos mais jovens. O profissional contactado é licenciado em desporto, apto e sensibilizado para a experimentação de várias modalidades, de forma a alargar as perspetivas dos mais novos e levá-los a descobrir as suas capacidades. Terá lugar 2 vezes por semana no campo de jogos do PER.
Destinatários preferenciais
Jovens

3. Mais Ativos Mais Vividos

Atividade assegurada pela Faculdade de Desporto da Universidade Porto, operacionalizada por licenciados e mestres em Ciências do Desporto especialistas em Atividade Física para a Terceira Idade e coordenada por doutorados. Em cada sessão de exercício serão proporcionadas rotinas de treino multicomponente para o desenvolvimento global da saúde e aptidão física. Terá lugar 2 vezes por semana, ao longo de todo o ano, no campo de jogos exterior do PER. Serão realizados seminários pontuais capacitando para os benefícios do estilo de vida ativo. Inclui aquisição de material de apoio ao exercício.
Destinatários preferenciais
Idosos

4. PAIS - Participação Ativa Interativa para Seniores

Realizada no início da implementação do programa Bairros Saudáveis, inclui o diagnóstico, criação de conteúdo, e culminará num conjunto de 5 oficinas de trabalho com um grupo de no máximo 15 idosos, de 2 horas por dia, durante 3 dias, por cada oficina. Fomenta-se a autonomia e transmite-se conceitos de segurança digitais. Para que tenha continuidade tentar-se-á atrair, sensibilizar e formar jovens do bairro. Inclui a aquisição de dispositivos eletrónicos móveis, que no final poderão ser usados por uma associação. Terá lugar na sala da Junta de Freguesia e/ou na sala de Juventude do bairro.
Destinatários preferenciais
Jovens, Idosos

5. A Saúde começa em casa

Após diagnóstico das situações e seleção dos moradores, com base numa metodologia participativa e de reforço positivo, trabalhar-se-á em conjunto com estes, sendo realizados sempre que possível, vídeos nas suas casas, protagonizados pelos próprios. Serão abordados temas como COVID-19, a organização e manutenção de elementos da arquitetura das casas e espaços comuns, com supervisão técnica e científica. Os filmes serão exibidos para todos os habitantes, na sala PER Fábrica, em sessões acompanhadas por técnicos habilitados para esclarecer de dúvidas. A atividade estender-se-á ao longo do ano.
Destinatários preferenciais
Toda a comunidade