N. 588/2020

Tipo de projeto e valor máximo de financiamento

Projeto integrado (máximo 50.000 Euros)

Eixos de intervenção em que se enquadra o projeto

Financiamento

Valor solicitado

48.713,00 €

Valor de outros financiamentos

34.320,00 €

Valor total

83.033,00 €
Mapa de localização da candidatura

Mapa das candidaturas financiadas


Artigos

Laços Em Corrente (LEC)

Preocupados com as dificuldades da comunidade (2959 residentes/Censos 2011), um grupo de cidadãos participativos e ativos criou a associação promotora, com vista a uma intervenção mais eficiente, eficaz e benéfica na qualidade de vida e bem-estar das pessoas. Em resultado das dificuldades acentuadas pela pandemia, tais como, acesso a cuidados de saúde, desemprego, acesso ao aconselhamento jurídico, diminuição de rendimentos e acesso a bens de primeira necessidade, pretende-se atuar numa abordagem mais humanista, próxima e realista, em:1)Saúde: garantir a vigilância e tratamento do pé diabético com consultas domiciliárias e promover ações de rastreio da doença; 2)Social: garantir o aconselhamento jurídico; e, criar um Espaço Social de recolha, reutilização e troca de bens de primeira necessidade, através de uma rede de voluntariado num modelo de coesão social; 3)Ambiental: promover e incentivar a economia circular através da reutilização dos bens doados/trocas diretas no Espaço Social.

Objetivos

Objetivo geral e justificação

Em resultado de reuniões com entidades locais e pessoas-chave envolvidas na vida das freguesias, e da participação da população através de um inquérito, identificaram-se vulnerabilidades, para as quais se desenvolveu este projeto integrado com o objetivo de contribuir para melhorar a qualidade de vida e bem-estar das pessoas numa cooperação coletiva. Porquê?1)A pandemia veio acentuar a problemática no recurso aos cuidados de saúde quer pelas restrições de acesso quer pelo medo das pessoas;2)O desemprego, a precariedade laboral e os conflitos familiares exigem uma intervenção rápida na análise e apoio jurídico;3)A população é significativamente idosa, de fragilidade social, de baixa escolaridade e de baixos rendimentos (dos 43% dos residentes empregados 59,4% trabalham no setor secundário);4)As respostas sociais são insuficientes para responder às necessidades e nenhuma desenvolve os obj.s do projeto; O projeto assegura ganhos em saúde, proteção de direitos civis e uma existência digna.

Objetivo específico 1 e justificação

Intervir na vigilância e tratamento do pé diabético com consulta gratuita domiciliária, promover ações de rastreio da doença e literacia em saúde do pé. O objetivo responde, em articulação com o PAL Saúde Lígios, a uma necessidade do diabético e contribui para ganhos em saúde no doente e no SNS. Permite, ainda, sinalizar pessoas com fragilidades sociais a integrar nos obj. 2 e 3. Porquê? 1)Devido à pandemia o doente incumpre o vital acompanhamento;2)Do inquérito verificam-se doentes a aguardar consulta anual do pé diabético;3)O PAL prevê o exame do pé uma vez por ano pelo menos a 95% dos doentes e ações de prevenção à doença;4)Segundo a DGS a vigilância leva à diminuição acentuada das amputações; 5)A insuficiência económica do doente impossibilita o acesso à rede privada de cuidados. Segundo o Parceiro USF, este objetivo permite cumprir, para o ano de 2021, a vigilância, a redução de úlceras e referenciar o doente para a consulta vascular. Citando a OMS “não deixar ninguém para trás".

Objetivo específico 2 e justificação

Prestação gratuita de consultas jurídicas para garantir uma resposta rápida à necessidade emergente de informação e consulta jurídica às pessoas em situação de insuficiência económica agravada com a pandemia. Porquê? 1) Os conflitos laborais, civis e familiares aumentaram significativamente; 2)O desemprego, a precariedade laboral e a consequente perda de rendimentos, leva a que as pessoas não tenham condições financeiras para recorrer a um advogado; 3)O pedido de apoio jurídico para a consulta jurídica à Segurança Social está dificultado pelo aumento da procura e pela inacessibilidade dos meios disponíveis, nomeadamente, o presencial; 4)A resposta do deferimento da consulta jurídica é demorada e muitas vezes extemporânea; 5)O Parceiro Delegação de Barcelos da Ordem dos Advogados (DBOA), reconhece a problemática e partilha das preocupações sentidas pela entidade promotora. Este objetivo protege os direitos das pessoas socialmente mais vulneráveis.

Objetivo específico 3 e justificação

Implementar o Espaço Social, aberto à comunidade, para recolha, reutilização e troca de bens de primeira necessidade, numa lógica de “dar e receber”, dinamizado por uma rede de voluntários de proximidade e parceiros. Este objetivo garante bens às famílias sinalizadas por via da intervenção local, dos parceiros ou referenciadas nos obj.s 1 e 2; incentiva à responsabilidade social, solidariedade de proximidade e à cidadania participativa e ativa, enquanto fatores de coesão social; e, promove a economia circular, permitindo que o que é “usado” pode ser “novo” para outros, diminuindo o desperdício. Porquê? 1) O desemprego e os baixos rendimentos diminuíram o poder de compra; 2) Do inquérito resulta evidente a necessidade da prática de ações solidárias; 3) No território é inexistente uma resposta social desta natureza; 4) Necessidade de promover a recolha de bens que de outra forma são eliminados. Este objetivo incentiva a mudança da vivência do bem fazer em comunidade.

Parceria local

Promotora

Couto Vivo - Associação de Apoio Social e Cultural

Parceira

União de Freguesias de Alvito (S. Pedro e S. Martinho) e Couto
União de Freguesias de Campo e Tamel S. Pedro Fins
USF Lígios
Delegação de Barcelos da Ordem dos Advogados
Instituto Politécnico do Cávado e do Ave
Sílvia Carvalho

Território(s) de intervenção

1. União de Freguesias de Alvito (S. Pedro, S. Martinho) e Couto

Alvito (São Pedro e São Martinho) e Couto, Barcelos
Critério 2. Número significativo de moradores com rendimentos baixos ou muito baixos, nomeadamente:
Pessoas em situação de desemprego, lay-off ou precariedade laboral
Pessoas com poucos anos de escolaridade
Critério 3. COVID-19
Número significativo de pessoas de risco em caso de COVID-19, nomeadamente idosos e portadores de doenças crónicas
Critério 4. Número significativo de pessoas com constrangimentos de acesso a cuidados de saúde, nomeadamente por:
Falta de condições de mobilidade e transporte
Critério 7. Exclusão social
Número significativo de pessoas em situação de exclusão social, isolamento ou abandono, nomeadamente idosos, pessoas em situação de sem abrigo ou vítimas de tráfico

2. União de Freguesias de Campo e Tamel S. Pedro Fins

Campo e Tamel (São Pedro Fins), Barcelos
Critério 2. Número significativo de moradores com rendimentos baixos ou muito baixos, nomeadamente:
Pessoas em situação de desemprego, lay-off ou precariedade laboral
Pessoas com poucos anos de escolaridade
Critério 3. COVID-19
Número significativo de pessoas de risco em caso de COVID-19, nomeadamente idosos e portadores de doenças crónicas
Critério 7. Exclusão social
Número significativo de pessoas em situação de exclusão social, isolamento ou abandono, nomeadamente idosos, pessoas em situação de sem abrigo ou vítimas de tráfico

Atividades

1. Sessão de apresentação do Projeto «Laços Em Corrente» no âmbito do Programa Bairros Saudáveis

Realizar a sessão de apresentação e o lançamento do vídeo institucional (digitalmente presente ao longo da execução do projeto) da missão e dos objetivos do projeto, com convite aos parceiros, comunidade e jornais locais. A sessão permite informar: como aceder aos benefícios do projeto; do cumprimento da proteção de dados; e, sensibilizar a comunidade à participação na rede de voluntariado e habilidosos da Terra. Por se tratar de uma atividade aberta à comunidade, e a realizar no território de intervenção, fomenta a confiança e a criação de laços em corrente numa solidariedade de proximidade.
Destinatários preferenciais
Toda a comunidade

2. Prestar, gratuitamente, em regime domiciliário, 150 consultas e tratamentos de podologia ao doente diabético

Em cooperação com as USF definir o plano de intervenção e ação para monitorizar o nº. de doentes diabéticos ao qual se vai prestar cuidados de saúde de vigilância, consulta, tratamento e acompanhamento do pé diabético; o podólogo presta o serviço em total articulação e conformidade com as orientações da equipa multidisciplinar das USF, a quem fornece um relatório para registo no sistema da USF da situação clínica do doente; após a consulta, o beneficiário assina uma declaração atestando que a mesma lhe foi prestada.
Destinatários preferenciais
Toda a comunidade

3. Ações de Rastreio na temática da promoção da saúde

Em colaboração com as USF, e com recurso a técnicos especializados, realizar duas ações de promoção da saúde no rastreio da diabetes, controlo da tensão arterial, promoção de hábitos de vida saudáveis, prevenção da doença e literacia em saúde do pé diabético. As Juntas de Freguesia Parceiras cedem instalações de apoio à atividade (uma por cada território de intervenção) . Durante esta atividade será divulgado o espaço social, com vista à participação ativa da comunidade (obj. 3).
Destinatários preferenciais
Toda a comunidade

4. Prestação de 600 consultas jurídicas gratuitas (Protocolo de Cooperação entre o Promotor, as Juntas de Freguesia parceiras, e a Delegação de Barcelos da Ordem dos Advogados (DBOA)).

O requerente apresenta pedido de consulta na Junta de Freguesia da área da sua residência, a quem caberá a apreciação da insuficiência económica; sendo aprovado o pedido, é marcada data, hora e local da consulta que é prestada por advogado indicado pela DBOA ; a consulta é realizada nos dias úteis, semanalmente, nas instalações cedidas gratuitamente pelas Juntas de Freguesia parceiras; após a consulta, o beneficiário assina declaração atestando que a mesma lhe foi prestada.
Destinatários preferenciais
Jovens, Idosos, Adultos (população em idade ativa)

5. Implementar o Espaço Social aberto à comunidade

Com o financiamento do Programa, da ajuda dos voluntários e dos membros da promotora é implementado o Espaço Social nas instalações cedidas gratuitamente pela Junta de Freguesia parceira. Pretende-se dotar o espaço de condições e dos equipamentos necessários à execução do objetivo 3. Nesta fase é elaborado o regulamento de funcionamento que estabelece as normas de utilização.
Destinatários preferenciais
Toda a comunidade

6. Gestão do Espaço Social, através da realização de tarefas que garantam a sua organização e funcionamento

Criar um posto de trabalho em regime part-time para atendimento, apoio na gestão diária, expediente e controlo de inventário. Para o apetrechar do espaço são realizadas duas acções de recolha de roupas, calçados, brinquedos, móveis, pequenos eletrodomésticos, produtos agrícolas junto dos agricultores locais e de alimentos que, quando perecíveis, são acondicionados em refrigeração. Após as acções de recolha, os bens são sujeitos aos cuidados, tratamentos e reparações necessários por forma a tornar possível a sua reutilização, com a participação da rede de voluntários e habilidosos da Terra.
Destinatários preferenciais
Toda a comunidade

7. Ação de marketing social para mobilização da comunidade à participação ativa no Espaço Social

Promover uma ação de marketing social para mobilizar a comunidade a participar ativamente, através da doação de bens e de inscrição como voluntário no apoio à prossecução do objetivo 3. Para esta atividade são distribuídos cartazes e flyers junto dos parceiros, das paróquia e da rede de contactos do projeto; é promovido spot nas rádios locais, difundido o vídeo institucional nas redes sociais e publicada uma nota de imprensa nos jornais locais. Esta atividade permite, ainda, criar uma bolsa de habilidosos, abrangente e diversificada, com pessoas da Terra.
Destinatários preferenciais
Toda a comunidade

8. Avaliação e divulgação do impacto do projeto na comunidade

Realizar uma reunião com os parceiros para avaliar os resultados alcançados com base no acompanhamento e monitorização da execução do projeto, com vista a definir a futura cooperação entre partes. Elaborar um relatório com vista à divulgação pública da intervenção, dos resultados, da satisfação e das evidências do impacto do projeto na qualidade de vida e bem-estar das pessoas. A avaliação do projeto permite à promotora e parceiros fundamentar, junto da tutela/organismos públicos, a necessidade de garantir a continuidade dos serviços e apoios prestados no âmbito do “Laços Em Corrente”.
Destinatários preferenciais
Toda a comunidade