N. 783/2020

Tipo de projeto e valor máximo de financiamento

Ação pontual (máximo 5.000 Euros)

Eixos de intervenção em que se enquadra o projeto

Financiamento

Valor solicitado

4.990,00 €

Valor de outros financiamentos

1.628,00 €

Valor total

6.618,00 €
Mapa de localização da candidatura

Mapa das candidaturas financiadas


Registos

Crescer em Casa

O objetivo central de Crescer em Casa é cultivar uma comunidade de 200 Cultivadores Locais. Em conjunto com a população da Freguesia de São Vicente e de forma participativa, iremos desenvolver o design, a construção e a distribuição de Kits “Crescer em Casa”, constituídos por vaso, terra, sementes e informações úteis. Ao receber este Kit a pessoa torna-se membro desta comunidade de Cultivadores locais e tem a oportunidade de cultivar plantas em casa ao mesmo tempo que partilha experiências com os restantes membros. Para fortalecer esta rede de apoio mútuo por forma a responder às atuais necessidades desta população, iremos desenvolver atividades que incluem por exemplo: o co-design dos Kits, dinamização da partilha de conhecimento inter-geracional sobre o cultivo de plantas, troca de sementes e workshops para criar mini-hortas. Posteriormente à implementação do projeto “Crescer em Casa” pretendemos co-criar um jardim comunitário com a nova rede de Cultivadores locais.

Objetivos

Objetivo geral e justificação

É cada vez mais evidente que as infraestruturas verde e social desempenham um papel fundamental na criação de bairros resilientes porque melhoram a qualidade de vida das pessoas e a vizinhança, ainda mais nestes tempos de pandemia. Ao mesmo tempo, há recursos no bairro como os residentes, a sabedoria local, espaços para o cultivo, instalações e grupos comunitários que poderiam fazer parte de um ecossistema de apoio local. Como podemos aproveitar esses valiosos recursos locais e criar uma rede de apoio mútuo na comunidade que possa responder às necessidades atuais da Freguesia de São Vicente e que permita imaginar um bairro melhor? Pretendemos responder a este desafio criando uma rede de 200 Cultivadores que combinam o cultivo regular das plantas com o cultivo de comunidade. Ao criar esta comunidade de Cultivadores pretendemos reduzir o isolamento social e aumentar a autonomia dos residentes idosos, aumentar a vizinhança e participação cívica e promover a consciência ambiental.

Objetivo específico 1 e justificação

Eixo Saude: Reduzir o isolamento social e aumentar a autonomia dos residentes idosos. Em todo o mundo, a pandemia teve um impacto muito sério na vida cotidiana dos idosos. Em Lisboa, desde o começo da pandemia, a maioria dos centros de convívio fecharam e as necessidades de apoio domiciliário aumentaram. A Junta de Freguesia de São Vicente identificou como problema o Critério 7: Número significativo de pessoas em isolamento. O isolamento dos idosos e falta de contacto familiar, a falta de actividade física, a perda de confiança e autonomia, são desafios que precisam de ação comunitária e de trabalho em rede. Por esta razão o projeto pretende reduzir o isolamento social e aumentar a autonomia de pelo menos 50 residentes idosos ao promover atividades de cultivo de plantas e convívio que melhorem a qualidade de vida, o bem-estar e os laços comunitários.

Objetivo específico 2 e justificação

Eixo Social: Aumentar a vizinhança e participação cívica. Evidências mostram o valor da vizinhança e participação local no nosso bem estar. O projeto pretende fomentar a cooperação e solidariedade entre moradores da Freguesia de São Vicente criando uma rede de 200 Cultivadores Locais. Através de actividades de troca de sementes, workshops colaborativos, partilha de conhecimentos, actividades de convívio, pretende-se estabelecer novas relações na comunidade e reforçar as ligações com organizações locais. Ao longo do tempo, esta rede de apoio irá criar uma comunidade mais resiliente.

Objetivo específico 3 e justificação

Eixo Ambiental: Promover a consciência ambiental. O projeto pretende criar um jardim disperso composto pelas 200 plantas que se encontram nas casas dos Cultivadores Locais. Assim, será promovida a sensibilização e consciencialização para a temática da sustentabilidade dos recursos naturais (solo, água, plantas, vegetação) e para o cultivo de plantas autónomo e em comunidade. Vamos também promover atividades relacionadas com a pedagogia ambiental para 50 crianças através de workshops colaborativos e esperamos que esta informação se espalhe pelas suas famílias.

Objetivo específico 4 e justificação

Eixo Urbanistico. Neste momento da pandemia o uso do espaço público ainda não oferece possibilidades seguras e suficientes de convívio para todas as pessoas, em particular as mais vulneráveis, e isso está a criar uma situação de exclusão. Além disso, esta Freguesia tem identificado que as condições de habitabilidade são deficientes ou precárias. Achamos que com o cultivo de plantas em casa iremos melhorar o ambiente da habitação. Com o objetivo de instalar equipamentos de relevância comunitária vamos criar mini-hortas que serão espalhadas pela freguesia.

Parceria local

Promotora

Ensaios e Diálogos Associação - EDA

Parceira

Sociedade de Instrução e Beneficência A Voz do Operário
Rizoma Cooperativa Integral
Junta de Freguesia de São Vicente
FabLab Lisboa (Câmara Municipal de Lisboa)
Coletivo Culti-VAMOS!

Território(s) de intervenção

1. São Vicente, Lisboa

São Vicente (Graça, Santa Engrácia, São Vicente de Fora), Lisboa
Critério 1. Condições de habitabilidade deficientes ou precárias, nomeadamente:
Mau estado das habitações, por deficiente construção, falta de manutenção ou por estarem situadas em territórios afetados por incêndios nos últimos cinco anos
Critério 2. Número significativo de moradores com rendimentos baixos ou muito baixos, nomeadamente:
Pessoas abrangidas por prestações e apoios do subsistema público da ação social
Critério 7. Exclusão social
Número significativo de pessoas em situação de exclusão social, isolamento ou abandono, nomeadamente idosos, pessoas em situação de sem abrigo ou vítimas de tráfico

Atividades

1. Co-Design do Kit “Crescer em Casa”

Queremos distribuir pacotes de sementes a 200 casas no território. Os Kits são constituídos por sementes, um guia ilustrado de como cuidar das plantas, vaso com terra e um código de identificação. Esta atividade concentra-se na co-criação dos Kits. A produção dos Kits vai ser em colaboração com os Cultivadores e vai acontecer com 2 eventos pontuais: um workshop com crianças para criar os pacotes de sementes com as indicaçōes de como cuidar da planta; e um workshop em que, com o apoio do FabLab, iremos convidar os residentes locais a construir os vasos do Kit através da reciclagem de materiais
Destinatários preferenciais
Crianças, Adultos (população em idade ativa), Famílias, Toda a comunidade

2. Bora Semear!

O projecto vai ser lançado com a distribuição dos Kits a 200 Cultivadores no bairro. As estratégias são: Distribuir Kits pelos 20 idosos a quem A Voz do Operário presta Serviço de Apoio Domiciliário; criar pontos de recolha dos Kits através dos Parceiros e com entidades locais; atividade para distribuir os Kits às crianças que participaram no desenho dos pacotes; e distribuir nos 4 Convívios mensais. Vamos mobilizar os Cultivadores para ajudarem nessa distribuição. Estas actividades vão ser organizados com os Parceiros para assegurar uma resposta à população prioritária.
Destinatários preferenciais
Crianças, Idosos, Adultos (população em idade ativa), Famílias, Toda a comunidade

3. Troca colectiva de saberes e recursos

Como todos os Cultivadores vão estar a cultivar as plantas desde casa, é também importante ter momentos onde podemos juntar essa rede a cultivar as relações e promover a participação cívica. Por isto vamos ter ‘encontros’ através de uma plataforma online e Convívios mensais presenciais. Os Convívios mensais vão ser abertos ao público com atividades definidas pela comunidade de Cultivadores, onde se promova a partilha de conhecimentos e a troca de sementes e plantas. Também vai ser uma oportunidade para distribuir Kits a residentes que ainda não estejam envolvidos.
Destinatários preferenciais
Crianças, Idosos, Adultos (população em idade ativa), Famílias, Toda a comunidade

4. Da Casa ao Bairro

É importante que o projeto exista para além das casas privadas e que se desenvolva também no espaço público. Também á evidência dos benefícios sociais das hortas e que os instalações feitas pelos próprios residentes aumentam o sentido de participação e responsabilidade cívica. Este atividade concentra-se na co-criação de mini-hortas feitas pelos Cultivadores para o bairro com o apoio do FabLab. A decoração, plantação e distribuição das mini-hortas pelo bairro será feita em parceria com outros grupos locais.
Destinatários preferenciais
Crianças, Idosos, Adultos (população em idade ativa), Famílias, Toda a comunidade

5. Monitorização e Mapeamento Social

Cada Kit será rastreado para criar um base de dados dos usuários e manter o contacto com cada Cultivador e a sua planta. Esta informação nos permitirá fazer um mapeamento dos cultivadores e a sua relação com o bairro que vai servir para monitorizar o desenvolvimento e o impacto do projeto. Isto vai ser feito com o apoio de Social Life que são especialistas na medição da sustentabilidade social. Ao final do projeto pretendemos criar mapas e um relatório que vai servir como ponto de partida para uma conversa com a comunidade envolvida e todos os parceiros sobre o futuro.
Destinatários preferenciais
Crianças, Idosos, Adultos (população em idade ativa), Famílias, Toda a comunidade