N. 386/2020

Tipo de projeto e valor máximo de financiamento

Serviço à comunidade (máximo 25.000 Euros)

Eixos de intervenção em que se enquadra o projeto

Financiamento

Valor solicitado

€ 21,365.00

Valor de outros financiamentos

€ 0.00

Valor total

€ 21,365.00
Mapa de localização da candidatura


Mapa das candidaturas financiadas


Registos

Cuidar Carrazeda: saúde mental em contexto de pandemia

Este projeto, com duração estimada de 9 meses, dirige-se à comunidade do território de Carrazeda de Ansiães, através de uma intervenção no âmbito dos eixos social e da saúde. Considerando o contexto pandémico atual, procura-se diminuir as limitações impostas pela interioridade, no acesso aos cuidados de saúde mental, decorrente da falta de condições na mobilidade e transporte; número de pessoas idosas e pessoas portadoras de doenças crónicas em risco de Covid-19; número de idosos em exclusão social, isolamento ou abandono; pessoas em situação de desemprego, lay-off ou precariedade laboral; pessoas com poucos anos de escolaridade; pessoas abrangidas por prestações e apoios de ação social. Esta candidatura pretende colmatar estas lacunas, numa região deficitária no âmbito da intervenção na saúde mental à população, abrangendo a prevenção e a intervenção clínica e social, facilitando o acesso aos cuidados de saúde mental.

Objetivos

Objetivo geral e justificação

Contribuir para a melhoria do acesso aos cuidados de saúde mental em Carrazeda de Ansiães. A acessibilidade a serviços de saúde mental nesta região é reduzida para a maior parte da população, seja por dificuldades no transporte, carência socioeconómica, ou por falta de conhecimento dos recursos existentes. Neste sentido, considerando o impacto da Covid-19, e acreditando que esta se constitui como uma agravante para estas lacunas, pretendemos criar um espaço para divulgação, formação e suporte a todos os cidadãos das freguesias de Carrazeda de Ansiães, desde aqueles que padecem de patologias neurodegenerativas e/ou de doença mental; aos que têm um papel de cuidado aos referidos anteriormente; às famílias mais vulneráveis cujos seus membros se encontrem em situação de risco ou perigo; e aos profissionais que pretendem incrementar os seus conhecimentos/formação com vista fortalecerem os seus papéis como interventores na saúde mental da região.

Objetivo específico 1 e justificação

Melhorar o acesso aos cuidados de saúde mental nas pessoas em situações de risco, exclusão ou vulnerabilidade social. A acessibilidade à saúde mental é dificultada nos grupos mais vulneráveis. A falta de informação, dificuldade em pedir ajuda, a discriminação e as dificuldades económicas têm um impacto negativo recursivo nas condições de saúde mental pessoais e familiares. Dada a limitação de recursos no âmbito da saúde mental no concelho de Carrazeda de Ansiães, objetiva-se intervir clinicamente, no âmbito da psicologia clínica, nas pessoas com condições de vulnerabilidade/exclusão social e psicológica e, em especial, nas famílias, crianças e jovens em situação de risco/perigo. Para tal, é de nossa intenção desenvolver um trabalho interdisciplinar com outras entidades e instituições do concelho de Carrazeda de Ansiães que intervém em prol destas pessoas.

Objetivo específico 2 e justificação

Aumentar a acessibilidade aos cuidados de saúde mental junto da população portadora de doença neurodegenerativa e/ou doença mental. Nas regiões do interior, o envelhecimento da população e o isolamento têm um impacto significativo na saúde mental das pessoas, o qual é acrescido nas situações de doença crónica incapacitante. Nas situações em que as pessoas são portadoras de doença neurodegenerativa ou doença mental, o estigma, o isolamento social e a falta de recursos técnicos disponíveis têm um impacto significativo na saúde mental destas pessoas, agravada num contexto de pandemia. Esta candidatura pretende avaliar e intervir no âmbito da saúde mental destas pessoas, reduzindo riscos, incrementando os fatores protetores e potenciando o tratamento médico e psicológico das pessoas com doença neurodegenerativa e/ou doença mental crónica, através da visita domiciliária por parte de técnicos possibilitando o acesso destas pessoas à avaliação e à intervenção clínica necessárias.

Objetivo específico 3 e justificação

Promover a intervenção clínica com cuidadores informais. Os cuidadores informais constituem um grupo de pessoas frequentemente negligenciado na sua função de cuidar das pessoas dependentes e cuja atual situação de pandemia veio acentuar o isolamento. Com vista a capacitar os cuidadores informais, iremos desenvolver com estes, um conjunto de intervenções psicoeducativas, recorrendo aos psicólogos da equipa de projeto, no sentido de avaliar e informar acerca da prática do cuidar e do autocuidado. A clarificação e actual reconhecimento do Estatuto de Cuidador Informal, é uma peça fundamental no reconhecimento e na validação das práticas adequadas do cuidar por parte destas pessoas. Tratando-se de um território de baixa densidade geográfica, onde existem inúmeros cuidadores informais com grande isolamento social, é de extrema importância avaliar e satisfazer as suas necessidades emocionais, com vista à manutenção da sua ação social e comunitária.

Objetivo específico 4 e justificação

Promover a sensibilização e divulgação (in)formativa e Intervenção Clínica pré e pós-COVID-19. Neste período pandémico onde predomina a incerteza, o medo e a desinformação, a constante atualização de dados conduzstitui a informações confusas, pouco claras e acessíveis. Ao nível da saúde mental, este contexto pode determinar situações de isolamento, alteração de rotinas, de incerteza, que conduzem a elevados níveis de sofrimento psicológico. Os impactos negativos são superiores onde existae maior dificuldade em aceder aos serviços de saúde mental, como no caso da região de Carrazeda de Ansiães. Com as limitações ao nível dos recursos de apoio psicológico, a dificuldade em recorrer a este tipo de serviços é particularmente relevante, pelo que propomos intervir a nível da psicoeducação acerca da Covid-19, numa perspetiva preventiva, baseada nas medidas de proteção; e a nível psicológico no pré e pós-Covid-19 para a redução do mal-estar psicológico das pessoas.

Parceria local

Promotora

AlmaTua - Associação para a Prevenção da Doença e Promoção da Saúde Mental

Parceira

Câmara Municipal de Carrazeda de Ansiães

Território(s) de intervenção

1. Pinhal do Norte. Este território não se organiza em bairros, mas em freguesias, facto pelo qual, em consonância com esta realidade específica, o território de intervenção se designará doravante pelas freguesias mencionadas.

Pinhal Do Norte, Carrazeda De Ansiães
Critério 1. Condições de habitabilidade deficientes ou precárias, nomeadamente:
Exiguidade do espaço habitável
Desadequação severa dos espaços comuns
Critério 2. Número significativo de moradores com rendimentos baixos ou muito baixos, nomeadamente:
Pessoas em situação de desemprego, lay-off ou precariedade laboral
Pessoas com poucos anos de escolaridade
Pessoas abrangidas por prestações e apoios do subsistema público da ação social
Critério 3. COVID-19
Número significativo de pessoas de risco em caso de COVID-19, nomeadamente idosos e portadores de doenças crónicas
Critério 4. Número significativo de pessoas com constrangimentos de acesso a cuidados de saúde, nomeadamente por:
Falta de condições de mobilidade e transporte
Critério 6. Número significativo de crianças e jovens em idade escolar a não frequentar a escola ou com elevada percentagem de insucesso, nomeadamente por:
Falta de condições para aceder ao ensino a distância
Critério 7. Exclusão social
Número significativo de pessoas em situação de exclusão social, isolamento ou abandono, nomeadamente idosos, pessoas em situação de sem abrigo ou vítimas de tráfico

2. Carrazeda de Ansiães. Este território não se organiza em bairros, mas em freguesias, facto pelo qual, em consonância com esta realidade específica, o território de intervenção se designará doravante pelas freguesias mencionadas.

Carrazeda De Ansiães, Carrazeda De Ansiães
Critério 1. Condições de habitabilidade deficientes ou precárias, nomeadamente:
Exiguidade do espaço habitável
Desadequação severa dos espaços comuns
Critério 2. Número significativo de moradores com rendimentos baixos ou muito baixos, nomeadamente:
Pessoas em situação de desemprego, lay-off ou precariedade laboral
Pessoas com poucos anos de escolaridade
Pessoas abrangidas por prestações e apoios do subsistema público da ação social
Critério 3. COVID-19
Número significativo de pessoas de risco em caso de COVID-19, nomeadamente idosos e portadores de doenças crónicas
Critério 4. Número significativo de pessoas com constrangimentos de acesso a cuidados de saúde, nomeadamente por:
Falta de condições de mobilidade e transporte
Critério 6. Número significativo de crianças e jovens em idade escolar a não frequentar a escola ou com elevada percentagem de insucesso, nomeadamente por:
Falta de condições para aceder ao ensino a distância
Critério 7. Exclusão social
Número significativo de pessoas em situação de exclusão social, isolamento ou abandono, nomeadamente idosos, pessoas em situação de sem abrigo ou vítimas de tráfico

Atividades

1. Intervenção clínica com famílias, crianças e jovens em situações de risco, exclusão ou vulnerabilidade social

Neste âmbito pretendemos articular diretamente com as entidades que intervêm neste sector (nomeadamente CPCJ) a fim de serem identificados os casos de crianças e jovens em especial situação de fragilidade psicossocial. Serão desenvolvidas as atividades de avaliação e psicodiagnóstico, intervenção clínica psicológica e encaminhamento, de forma a atenuar o impacto da atual situação pandémica nas situações específicas de risco ou de perigo em cada caso.
Destinatários preferenciais
Crianças (0 a 17 anos), Jovens (18 a 24 anos), Famílias

2. Realização de visitas domiciliárias a pessoas com doenças neurodegenerativas ou com patologia mental crónica

Nesta atividade propomos realizar visitas domiciliárias, com periodicidade adaptada casuisticamente, às pessoas com doenças crónicas neurodegenerativas e com patologia mental crónica, as quais, já profundamente estigmatizadas, sentiram com esta pandemia o agravamento do seu isolamento social. Neste sentido, os técnicos realizarão as visitas ao domicílio, avaliando a situação atual em termos de saúde mental, a necessidade de intervenção clínica e/ou de encaminhamento.
Destinatários preferenciais
Idosos (65 e mais anos), Pessoas com deficiência

3. Avaliação e intervenção clínica nos cuidadores informais

Pretendemos intervir com os Serviços de Ação Social da Câmara Municipal, e também da Santa Casa da Misericórdia e entidades privadas ao abrigo do Contrato Local de Desenvolvimento Social de Carrazeda de Ansiães, procuraremos identificar os cuidadores informais dos bairros onde pretendemos intervir, providenciando a avaliação das suas necessidades de saúde mental, o suporte emocional/psicológico e o encaminhamento necessário a estas pessoas.
Destinatários preferenciais
Adultos (25 a 64 anos), Mulheres

4. Divulgação de informação adequada, clara e concreta acerca da prevenção e tratamento da Covid-19

Esta atividade consistirá na promoção de debates mensais/sessões de informação online sobre a importância da saúde mental em situação de pandemia na rádio local, Facebook e outras redes sociais da JFs e CM, assim como na afixação de cartazes e na distribuição de panfletos acerca dos comportamentos de prevenção da Covid-19, dos sintomas mais frequentes, e números de contacto das entidades de saúde locais e nacionais (Centro de Saúde local, Linha Saúde 24). Estas atividades fornecerão a informação objetiva e atualizada, além de esclarecimento de dúvidas, acerca dos procedimentos de proteção.
Destinatários preferenciais
Jovens (18 a 24 anos), Idosos (65 e mais anos), Adultos (25 a 64 anos), Toda a comunidade